O Eleito

domingo, dezembro 11, 2005

Coisas Que Eu Não Compreendo…

Não consigo compreender a “objectividade” dos mercados financeiros. E, talvez à semelhança de todos os outros seres humanos, acho que “a culpa” é dos mercados financeiros; acho que isso se deve ao facto de se tratar de circuitos especulativos, onde não há objectividade…
Mas hoje decidi desabafar estas minhas angústias.
Para perceber melhor qual a “minha culpa” fui consultar as cotações do PSI20.
Constatei que mais de metade das acções incluídas no índice têm cotações inferiores a 5 euros. Há até casos, como o das acções da Pararede cuja cotação é de 0,29€ (Vinte e nove cêntimos), menos de 60 escudos
Seguem-se as acções da Corticeira Amorim, a valer 1,48€, depois vem a Sonae SGPS (1,51€), seguida do BCP R (2,09€) e da EDP Energias (2,54€). Há ainda 4 outros títulos com cotações na casa dos 3 euros e mais dois títulos com cotação na casa dos 4 euros, perfazendo um total de 11 títulos com valor inferior a 5 euros…
Mas eu pensava que todas as acções tinham o valor nominal de 5 euros (mil escudos na moeda antiga)…
No entanto, o PSI20 “admite” cotações que são, apenas, 5% do respectivo valor nominal (Pararede). E ainda, como no caso da EDP, BCP e da Sonae, cotações que são, em média, cerca de 50% do valor nominal. Porém, incluem-se, neste “lote”, algumas das “nossas” maiores empresas… de gente muito rica e com grandes lucros, com “administradores” pagos “a peso d’ouro”. Há qualquer coisa, aqui, que eu não entendo…
Eu explico os porquês desta prosa:
No reinado de D. Cavaco, nos tempos áureos da especulação bolsista, uma pessoa que me estava próxima insistiu comigo para que “investisse”, na Bolsa. Dizia que, na sua família, várias pessoas tinham ganho muito dinheiro com isso... Apesar do meu cepticismo (não gosto de me meter em coisas de que não percebo e, se calhar, nem quero perceber) tanta foi a insistência que acabei por pegar nuns míseros tostões (cerca de 60 contos) e ir comprar umas acções. O bancário que me atendeu disse-me que só havia, para venda, acções duma dada empresa (que julgo já nem tem cotação na Bolsa) e lá dei a ordem. Foi quanto dinheiro perdi!
Cerca de 2 ou 3 semanas depois, D. Cavaco veio à televisão, fazer o favor (o frete) aos especuladores e dizer que as cotações eram especulativas.
A partir daí, todas as cotações desceram e, no caso das acções que eu tinha comprado, transformaram cada dez acções em uma, com uma desvalorização brutal. Acabei por vendê-las por menos de um décimo do valor que paguei.
Grande negócio que foi, para os especuladores, a conversa de D. Cavaco.
E assim se apropriaram das parcas economias de muitos pequenos investidores que ficaram esclarecidos, até hoje, acerca da idoneidade e fiabilidade dos “mercados financeiros”.
A situação da EDP, cuja recuperação económica acompanhei de perto, cujas acções foram todas vendidas acima do valor facial, é outro caso paradigmático, desta questão…
Também aí houve muita gente, incluindo trabalhadores da Empresa, que comprou julgado que estava a adquirir um valor seguro (à semelhança das anteriores obrigações da mesma empresa) e agora possuem cerca de um terço do valor investido. Os que venderam, já perderam, assim, as suas parcas economias.
Estes factos levantam-me outra questão e outras dúvidas:
Tenho afirmado, por aqui, algumas vezes, que os nossos problemas não se resolvem com retóricas, nem com discursos, sequer com boas intenções ou com promessas eleitorais. É comum eu dizer que a “conversa” não interessa nada, para resolver os problemas; que são necessárias ACÇÕES, tomar as medidas adequadas…
Agora imaginem a confusão que vai na minha cabeça ao perceber que, afinal,” a conversa” (como esta que refiro, de D. Cavaco, ou a outra “conversa da tanga” do Cherne (Durão), que nos mergulhou na recessão e provocou um aumento, brutal, do desemprego) até tem influência… sempre negativa, desastrosa…
Mas por que será que, neste País, as conversas (especulações) só conseguem ter consequências reais negativas…
Será porque estamos no domínio do especulativo, como no caso do “crash” (premeditado e conveniente) da bolsa, que prejudicou tanta gente e beneficiou alguns outros; ou será porque a realidade, desastrosa, só permite a concretização das desgraças?
É que, depois dos dicursos bonitos, dos apelos e das “preocupações”, não se vê aumentar, em proporção, a alegria e confiança e auto-estima das pessoas…
De facto, enquanto os nossos políticos e responsáveis teimarem em manter a actual estrutura económica (de impostos, etc.) absurda, recusando dar ouvidos ao bom-senso, só as “conversas” da desgraça têm reflexos na realidade. Os discursos “bonitos”, as promessas enganosas e falsas, não produzem efeito porque não podem produzir; a actuação das instituições e do Estado não deixam, os políticos não permitem…
E os candidatos? O que têm a dizer a isto? Mais conversa fiada, ou têm ideias claras quanto às medidas necessárias e seus efeitos?
Dos respectivos discursos, ou discussões ou debates, nada transparece, a não ser a habitual desorientação, que tanto nos tem prejudicado.
Eu sei avaliar a conversa, deles, porque tenho ideias, claras, sobre tudo isso!
Desculpem ter abusado da vossa paciência com este meu desabafo…

6 Comments:

Blogger Tiago Alves said...

Com o devido respeito, nunca havia lido uma demonstraçao de tamanha ignorancia sobre o mercado de capitais. Claro que, ao que parece, o senhor só pensa no mercado de capitais como um meio de alguem de comprar por 10 e vender por 20.. E se se parte deste pressuposto é complicado perceber alguma coisa.. E depois, como cereja, temos o aproveitar de tudo isto para atacar D. (?) e ainda para mandar uns bitaites ao actual presidente da CE e ex-PM. Acho que o insulto gratis não é assim tão necessário... Mas nao se coiba de o fazer, se achar que é correcto: eu virei cá sp comentar. para criticar claro :) cumprimento

3:00 da tarde  
Blogger Pedro Santos Cardoso said...

Biranta,

deves ser um tipo porreiro para se beber uns copos.

Já como analista do mercado de capitais, só tenho de concordar com o comentário acima, do Tiago Alves (Asriel).

Uma coisa é certa: fizeste-me rir.

Vá lá, Biranta, bom senso e juízo...

3:05 da tarde  
Blogger Biranta said...

Ah, pois... Eu acredito (acredito, note-se) que, para quem "perceba a coisa" doutro ponto de vista a minha "análise" seja um disparate... São "coisas do outro mundo" mutuamente: a realidade da vida dos cidadãos no "mercado de capitais" e vice-versa...
Quanto a disparate... também é tudo uma questão de "pontos de vista" ou "interesses" específicos. Mas já que estamos no domínio da democracia e das eleições, sempre vos posso dizer que a maioria dos cidadãos pensa e sente como eu...
Fica-me a curiosidade de saber quais são os "disparates", objectivos... Ou será que são "doutrinários" e de "leis do mercado" e essas tretas da especulação?
Oh Pedro! Você acha mesmo que tem legitimidade para me "repreender"? A sua noção de democracia é uma coisa muito esquisita. Homem! O respeito que, nós e as nossas ideias, merecemos aos outros é sempre função do respeito que temos por TODOS os nossos semelhantes e seu sentir, a todos os níveis... Não é que me "comova", mas eu acho que você deve ser uma pessoa muito infeliz, até pelo tipo de "energias" que "transporta", mas sobretudo pela soberba e pela presunção, pelo tipo de sentimentos que nutre pela sociedade e pelas pessoas... É que, normalmente, essas coisas acabam por ser recíprocas... Mesmo que a gente não se aperceba.

3:37 da tarde  
Blogger Pedro Santos Cardoso said...

Biranta:

1. Não lhe admito ataques pessoais. Não me conhece de lado nenhum para atestar dos meus sentimentos pela sociedade e pelas pessoas. Portanto, sugiro que não haja mais este tipo de considerações.

2. Já eu, no meu comentário anterior, fiz um juizo, sim, mas não acerca da sua pessoa (como acabou de fazer no seu último comentário) - fiz um juizo acerca do seu post. Continuo a dizer: o seu post fez-me rir, por nele estarem palavras que roçam, eufemisticamente, o desconhecimento.

6:33 da tarde  
Blogger Tiago Alves said...

Va la companheiros, dignidade no debate. Se calhar até fui eu que lancei as hostilidades mas acho que o fiz de modo suave. Não é preciso chatear-se caro Biranta!
Concordo consigo que talvez a maioria dos cidadãos, por desconhecimento, possa pensar como o senhor. Mas aí a sua posta poderia ter criticado essa falta de informação e de incentivo à participação responsavel no mercado de capitais que, em outros paises, é tão comum. E não apresentar as suas "conclusoes" como se fossem verdadeiras e aproveitando, reafirmo, para atacar aqueles com quem tem dissonancias ideologicas.

7:27 da tarde  
Blogger Biranta said...

Pedro! referia-me, especificamente a: "tenha bom-senso e juízo", conceitos que são tão subjectivos como quaisquer outros e eu reservo-me o direito de ter o bom senso e o juizo que entender, sem que isso me impeça de expressar, livremente, o que penso e sinto...
Até porque já não é a primeira vez que vocês se acham no direito de "me" dar lições, como se devesse haver alguma relação de subaternização das opiniões dos outros em relação às vossas. Mesmo que as vossas sejam as que estão implementadas, isso não lhes confere "valor absoluto". A meu ver até é o contrário, por força da situação real...
Asriel!
A ignorância está assumida. Mas os factos relatados (e a experiência) são reais, como o são as cotações e, no caso da EDP, por exemplo, o contrasenso, completamente injustificado.
Quanto aos ataques é falso. Não há nenhum ataque, pessoal ou outro, no meu texto, porque:
- os factos são reais. Não há imputações falsas, inventadas, ou fundamentadas em boatos;
- também não há "processos de intenções", apenas estão relatados os factos;
e quando assim é não há ataques.
O facto de as pessoas não poderem se confrontar com os factos não faz deles (factos) "ataques".

7:47 da tarde  

Enviar um comentário

<< Home

Powered by Blogger