O Eleito

segunda-feira, outubro 31, 2005

O Que Eu Não Percebo

Eu não percebo porque é que muita gente, tanto nos jornais como por esta blogoesfera fora, se arma em carapau de corrida e tenta vender caro o seu apoio ao prof. Cavaco Silva. São vários os casos e manifestam-se por toda a comunidade de centro-direita e de direita, desde os mais obscuros blogs a alguns supra-sumos da nossa praça.
É óbvio que os cronistas a quem me refiro podem ter mil e uma razões para não gostar do prof. Cavaco. Costumam até ter uma linha mais lúcida de argumentação do que outros mas, mesmo assim, e tendo em conta o que se retira dos seus textos de opinião, não há volta a dar: o prof. Cavaco tem de ser o candidato deles. E não só, ao contrário do que fazem passar, por exclusão de partes.
É engraçado verificar que a blogoesfera e os jornalistas conotados com a esquerda se arregimentam em torno dos seus candidatos e se juntam, claro está, nas críticas ao candidato de centro direita. Pelo contrário, a franja destra tem vindo a mostrar toda o seu snobismo e a sua arrogância, confiando talvez que a vitória está no papo ou simplesmente tomando, porque é mais fácil, o partido daqueles que apenas sabem atacar quem está in the charge, não só de forma literal (como é o caso) mas em termos de credibilidade e de tendência de voto. Como parece ser moda apoiar o ex-primeiro ministro o pessoal do block tem de ser original e por isso aproveita de tudo para poder atacar o prof. Cavaco. Como título de exemplo, aquela história do bolo-rei. Eu era novinho à data, não me lembro do episódio. Mas pelo que me contam e pelo que vejo (refiro-me ao nome dos comentários), só posso deixar-me entristecer pela fraca qualidade dos argumentos e pelo uso fácil de outros meios.
Eu não embarco nessas coisas. Se alguém ainda não notou, eu faço questão de dizer: sim, eu apoio o professor! Não custa nada, não somos marginalizados e, se anexarmos a esta declaração uma pequena dose de argumentação sólida, tudo fica perfeito.
O País precisa de confiança e Cavaco Silva é uma figura que, não por quaisquer outras razões que não o trabalho realizado em dez anos de governação, continua a ser acarinhada e admirada pelos portugueses, de esquerda e de direita. Foi com Cavaco Silva que este País inflectiu e foi com ele que se deram os decisivos passos que possibilitaram a Portugal aproximar-se das boas práticas dos nossos vizinhos. Foi com o professor Cavaco que se liberalizou uma boa parte do mercado, que se construíram as infra estruturas indispensáveis a qualquer democracia desenvolvida.
Foi o professor Cavaco que fez de Portugal uma economia credível no exterior, conseguindo valorizar o escudo e controlar a inflacção; foi no seu mandato que se realizaram os maiores investimentos de sempre no nosso país; foi Cavaco que colocou a Juventude portuguesa em lugar de destaque, ouvindo a sua voz e tomando decisões positivas para os jovens; foi Cavaco que colocou Portugal no pelotão da frente da moeda única; foi Cavaco que criou, até aos últimos e desgastantes momentos de 94/95, uma imagem de dinâmica de Governo que até hoje mais ninguém conseguiu copiar. Por tudo isto, Cavaco será o próximo Presidente. As expectativas são elevadas mas não acredito que saiam goradas. Afinal, e como já disse, Cavaco "não vai pelas mordomias", vai "para trabalhar".
Tiago Alves

2 Comments:

Blogger David Afonso said...

Cavaco seria capaz de fazer uso dos seus poderes sobrenaturais em tempos dificeis (estes tempos)? O super-homem resigna-se a um cargo honorário quando o país espreita o fim da história? Do que nos vale um mandrake empalhado?
(dúvidas colocadas por um falso neo-cavaquista)

[Ops, esqueci de postar anónimo]

2:37 da manhã  
Blogger orrorortografico said...

Muito bem! muito bem!!

11:21 da manhã  

Enviar um comentário

<< Home

Powered by Blogger